sábado, 10 de março de 2007

Tributo a Miguel Coelho, de P. R. Cecchetti

Lá vai o mago Miguel
pelas ladeiras do arco-íris.
Parte brincando
feito menino
lambuzando-se de cores
e risos.
Levando com ele,
nesse tempo telas, querubins.
Nas paredes da sala
Madonas ensoam cânticos
que renascem em acordes
inseparáveis
dos amigos que tocam
na Jazz Band Salina.
Saudades...
Recordo sempre Miguel,
magro e meigo,
com suas histórias mineiras
de Matipó.
No pincel sobre a palheta
multifacetada de cores
há quadro por terminar...
(10.03.2007)

Um comentário:

Angela Maria disse...

Linda.... emocionante poesia para Miguel Coelho.
Ele era uma pessoa especial.
Me pareceu vê-lo e seus quadros num céu muito azul, contrastando com o Mar de Niterói que vejo na minha imaginação de gaúcha. Neste momento espero que ele nãos eja mais ateu!!! Pois assim estará se divertindo
Parabéns
angela