sábado, 28 de abril de 2007

Walter Benjamin, o pensador do século XX

Apresentamos a você, rara ou raro leitor, a primeira parte de um dos escritos breves de Walter Benjamin reunidos, sob o título “Proibido colar cartazes!”, no livro Rua de mão única, publicado originalmente em 1928, quando o autor tinha 36 anos. Acreditamos que sua leitura seja útil a todos os escritores e aos aspirantes a. O que acha? Faça seu comentário.
A segunda parte será aqui postada em breve, se a alguém fizer falta.

A técnica do escritor em treze teses

I. Quem tem a intenção de passar à redação de uma obra mais extensa procure seu bem-estar e permita-se, depois da tarefa concluída, tudo o que não prejudica a continuação.

II. Fale do realizado, se quiser; contudo, durante o decorrer do trabalho, não leia nada dele para outros. Toda satisfação que você se proporciona através disso bloqueia seu ritmo. Com a observância desse regime, o crescente desejo de comunicação acaba tornando-se motor do acabamento.

III. Nas circunstâncias de trabalho, procure escapar à mediania do cotidiano. Meia tranqüilidade, acompanhada de ruídos insípidos, degrada. Em contrapartida, o acompanhamento de um estudo musical ou de uma confusão de vozes pode tornar-se tão significativo para o trabalho quanto a perceptível quietude da noite. Se esta aguça o ouvido interior, aquele se torna a pedra de toque de uma dicção cuja própria plenitude sepulta em si os ruídos excêntricos.

IV. Evite utensílios quaisquer. A pedante fixação a certos papéis, penas, tintas, é de utilidade. Não luxo, mas abundância desses utensílios é indispensável.

V. Não deixe nenhum pensamento passar incógnito e mantenha seu caderno de notas tão rigorosamente quanto a autoridade constituída mantém o registro de estrangeiros.

VI. Torne sua pena esquiva à inspiração, e ela a atrairá com a força do ímã. Quanto mais refletidamente você retarda a redação de uma idéia que ocorre, mais maduramente desdobrada ela se oferecerá a você. A fala conquista o pensamento, mas a escrita o domina.

In Rua de mão única. Obras escolhidas, v. 2. Tradução de Rubens Rodrigues Torres Filho e José Carlos Martins Barbosa. S. Paulo: Brasiliense, 1987, p. 30-31.
http://www.editorabrasiliense.com.br/

Imagem, fonte: www.culturgest.pt/actual/walter_benjamin.html

Sugerimos que corra à estante ou à livraria e se enriqueça convivendo com esta obra que se pode ler e, especialmente, reler sempre com proveito crescente.

PS1: O título que adotamos repete o do caderno Mais, Folha de São Paulo, 12/07/1992, comemorativo dos 100 anos do nascimento do filósofo, crítico e escritor.

PS2: Nosso trabalho coletivo O consumidor de livros de segunda mão: perfil do cliente dos sebos, acessível em
http://www.escritoriodolivro.org.br/leitura/perfil%20sebo.pdf , concluído nesse dia 12 de julho de 1992, foi também dedicado ao centenário de Walter Benjamin, como forma de homenageá-lo como bibliófilo e “descobridor” de cidades em busca de livrarias e, especialmente, como a grande referência que temos pessoalmente em nosso modesto percurso intelectual.

Um comentário:

Cynthia disse...

Não conhecia este Benjamim e fiquei encantada! Quero sim a segunda parte, Aníbal! Quem sabe um dia me entrego a escrita inspirada por estas sábias e bem humoradas lições... Aguardo as próximas. Abraço