sexta-feira, 11 de julho de 2008

A Dispersa Palavra, de Victor Oliveira Mateus

Livros Usados
Inês Lourenço, In "a disfunção lírica"
.
Tudo que se disse depois e
ainda se diz, pode estar num usado
exemplar de Crime e Castigo ou da Utopia.
Os livros usados - mesmo
que se chamem Utopia -
têm aquela terna docilidade
das páginas em que outras
mãos passaram, ao contrário
dos novos, que em rígidas e
intactas páginas são só apenas
papel impresso.
.
E para escassos amigos, quando
se fugiu duma livraria de
consumíveis tops,
talvez seja essa
a melhor oferta.
.

Sem título
Victor Oliveira Mateus

Quantas vezes me deixei ficar,
como hoje, de caneta em riste,
sentado a esta mesma mesa
esperando que tu ou o texto viessem...
.
Quantas vezes, em vão, lançava
o olhar sobre o porto, tentando
adivinhar-te no bojo
de um qualquer barco que divisava
.
ao longe, como quem investiga
de falhas a mais nítida presença.
E quantas, no meio do tilintar
das chávenas e do bulício do balcão,
.
as tuas palavras acabavam sempre
por me aquietar. No entanto, sei-me
de sina igual a hoje: o constante medo
de que um dia possas não vir
.
e que o futuro mais não seja
do que a inquirição dos dias,
onde os versos se firmam
como escolhos à deriva
em simples guardanapos de papel.
.
Victor Oliveira Mateus

In A Dispersa Palavra
http://adispersapalavra.blogspot.com/


O Atlântico já nos une há quinhentos anos. Agora a Internet une todos que possam e se queiram conectar, para além das fronteiras das terras e dos mares. Restam-nos, felizmente, as fronteiras da língua, que se quer um mar comum, às vezes mais revolto, outras não.

O poeta e professor Victor Oliveira Mateus captou indiretamente mensagem nossa, não dessas que colocamos nas pipas que vão ao éter, como antes iam nas garrafas em busca dos náufragos ou dos salvadores. Apenas uma breve mensagem “funcional”.

Fez um comentário em nosso blog. Iniciou-se um diálogo. Visitei o seu blog e que bela surpresa! Dessas que nos fazem continuar a acreditar na arte e nos seres humanos. Encontramos lá estes poemas que quisemos apresentar ao nosso raro leitor como isca para que visite o blog A Dispersa Palavra. Vá lá e depois me conte.

5 comentários:

Logros Consentidos disse...

Olá!
Mas que surpresa! Visito pela primeira vez o blogue do Victor, encontro os "livros usados" e seguidamente vejo-os a viajarem para o Rio..
O amor pela poesia e pelos livros é sempre um bom acontecimento, nestes tempos de penúria.
Grande abraço

Inês Lourenço
http://www.vidainvoluntaria.blogspot.com

niselourenco@yahoo.com

Henrique Chaudon disse...

Caro Aníbal:
Mordi a isca. Muito rico em textos, imagens, links. A internetosfera é de fato um prodígio!
Mais uma vez, obrigado.

Aníbal Bragança disse...

Oi Inês, Oi Henrique,
é muito bom que tenhamos uma ou muitas esquinas virtuais para nos encontrarmos e para trocarmos idéias, conhecermos um pouco ou muito da obra um do outro. Ficarei cada vez mais contente que seja esse o papel do Ler, escrever e contar: ser uma esquina de rua para encontros poéticos e de idéias sobre livros, leituras etc.
Que todos conheçam também o seu blogs A terceira gaveta e o da Inês, Vida involuntária.
Isso é sempre um bom acontecimento, subscrevo o que diz Inês.
Um abraço,
Aníbal

Victor Oliveira Mateus disse...

Caro Aníbal,

preparava-me para avisar a Inês
Lourenço, mas pelos vistos ela chegou primeiro. Que bom!Eu gosto
muito da poesia dela. Agradeço-lhe
também o ter editado este meu poema( que irá fazer parte do meu próximo livro), assim como a sua visita ao meu blogue. Irei fazer
um link com este seu interesantís-
simo "sítio" de literatura, para irmos trocando informações. Segue já uma: acabei de organizar uma antologia do conto luso-brasileiro.
A obra sairá aqui em Outubro e tem
a colaboração de
grandes escritores dos nossos dois
países, terei depois muito gosto em enviar-lhe um exemplar...
Obrigado por tudo.
Um abraço
do
Victor

Aníbal Bragança disse...

Caro Victor,
antes de mais, desculpe o erro na grafia do seu nome. Já corrigi.
Estou contente com este encontro e mais ainda por sabê-lo tão ligado ao Brasil.
Português, já há mais de meio século vivendo no Brasil, não deixei de sentir a identidade de origem, ficando assim a viver nas margens do oceano, mas com um pé firme neste grande país grande.
Tenho muito interesse em conhecer o seu próximo livro de poemas e o livro de contos que organizou. Algo me deixou na expectativa: é a antologia luso-brasileira ou serão mesmo os contos? Isto seria fantástico! Mas uma ou outra hipótese são muito boas.
Desde já muito grato por suas deferências e atenções, inclusive pela inclusão de nosso blog entre os seus indicados. Isto é ótimo.
Um abraço,
Aníbal