segunda-feira, 25 de agosto de 2008

O lucro dos bancos e a falta de recursos para a educação

Algumas vezes, raro leitor, já nos referimos aqui aos baixos índices médios das práticas de leitura no país, medidos por instituições nacionais e internacionais. Em boa parte, assim como esse, outros indicadores sociais estão relacionados diretamente com esta notícia dada hoje no jornal Folha de S. Paulo:

"Uma curiosidade é que, do final de 2002 até o primeiro semestre deste ano, portanto durante os cinco anos e meio do governo Lula, a rentabilidade dos bancos brasileiros saltou de 12,4% para 21,7%. Já entre os bancos nos EUA, nesse mesmo período, a rentabilidade caiu de 15,7% para 8,9%."
Guilherme Barros, "Rentabilidade de bancos no país supera a dos EUA", in
http://www1.folha.uol.com.br/folha/dinheiro/ult91u437491.shtml

Em que pesem possíveis erros na divulgação dos dados (que podem ser mais graves do que estão apresentados), já é algo que não podemos esquecer, principalmente porque os lucros dos bancos no Brasil estão relacionados principalmente com a política de juros altos da dívida pública levada a efeito pelos mandarins do Banco Central, a serviço de interesses que não são do povo nem do Estado brasileiro. Os resultados alcançados pelos bancos e pelo sistema financeiro em geral não nos devem deixar dúvidas sobre quem tem interesse nessa política, levada a efeito sob a fachada do combate à inflação.

O que pensa disso, rara leitora?

Para contribuir para possíveis reflexões de nossa rara leitora ou leitor, acrescentamos alguns outros dados publicados na grande imprensa, ontem e hoje:

Governo paga mais 14.9% de juros do que em igual período no ano passado

"Os governos municipais, estaduais e federal já pagaram este ano mais de R$ 100 bilhões em juros aos credores da dívida pública. Dados apresentados ontem pelo Banco Central mostram que essa despesa somou R$ 106,803 bilhões de janeiro a julho, com alta de 14,9% ante igual período de 2007, novo recorde. (...)

A despesa recorde de juros pagos aos bancos e investidores é explicada por vários fatores, (...). Um deles é a alta da inflação, que eleva a despesa nos papéis corrigidos por indicadores de preço. Nos sete meses de 2008, o pagamento nos títulos atrelados ao Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) passou de R$ 22 bilhões, quase igual à despesa de todo o ano passado (R$ 24,7 bilhões). Outra explicação vem da taxa básica de juros (Selic). Com o aperto monetário iniciado em abril, o custo dos papéis que seguem a Selic sobe.

No início do ano, a despesa mensal com esses títulos era de cerca de R$ 5 bilhões. Em julho, já estava em R$ 7,7 bilhões. (...)"

Fonte: Fernando Nakagawa e Fabio Graner, O Estado de São Paulo, 28/8/2008 (Economia & Negócios)
http://www.estadao.com.br/estadaodehoje/20080828/not_imp231961,0.php
acessado às 7:13
*
Segundo reportagem da revista The Economist, o Banco Central do Brasil é o que mais subiu os juros em relação a outros países...
26/08/08
*

2 comentários:

Henrique Chaudon disse...

Aníbal:
Fica difícil vislumbrar tempos mais justos para este país.
Em todos os níveis, do pessoal ao Federal, há ganância, desonestidade, esperteza.
O Brasil quer ser grande entre as Nações mesmo à custa de sua integridade e do futuro do povo.
Estamos em um moedor de carne global, e a fera tem que ser alimentada, custe o que custar.

Regina Fernandes disse...

Olá Aníbal
Passando para ver as deliciosas novidades do blog e aproveitando para matar as saudades.
Bjs
Regina